MINHA  VIDA  E  DE  MEUS  AMIGOS  SOBRE  DUAS  RODAS

Contatos: Cassola - (51) 99983-1064     accassola@terra.com.br

Banner
Banner
Banner
Banner

Calendário de Eventos

No Mês passado Novembro 2017 No Mês próximo
D 2a 3a 4a 5a 6a S
week 44 1 2 3 4
week 45 5 6 7 8 9 10 11
week 46 12 13 14 15 16 17 18
week 47 19 20 21 22 23 24 25
week 48 26 27 28 29 30

Últimas Notícias

Baixando marcha cutucando o acelerador
Ter, 14 de Julho de 2009 15:50
Imprimir E-mail
Dicas

Por: Kent Kunitsugu

1. Baixar marchas suavemente em uma moto, especialmente ao frear forte em alta velocidade,requer uma quantidade exata de habilidade e destreza. Afim de evitar que a moto perca o controle, a rotação do motor deve ser igualada à velocidade do asfalto no momento exato em que a embreagem é completamente desacoplada, senão o pneu traseiro deslizará momentaneamente interferindo no movimento da moto. Enquanto isso o motor é forçado involuntariamente à combinar sua velocidade com a velocidade do asfalto. Isto significa que o piloto deve “cutucar” o acelerador para elevar a rotação do motor enquanto baixa uma marcha - mas deve fazer isto quase que simultaneamente ao puxar na manete do freio dianteiro para diminuir a velocidade da moto. É óbvio que esta habilidade é necessária nas pistas, pode também ser lucrativa em situações de rua, situações onde pilotar suavemente é mandatório; por exemplo, em uma situação onde você seja obrigado a curvar e frear ao mesmo tempo.

 2. A idéia de cutucar o acelerador no meio de uma troca de marhas pode intimidar um iniciante, mas com um pouco de prática, a técnica pode transformar-se logo em um movimento intuitivo. Primeiramente, certifique-se de que as manetes estão ajustadas de modo que estejam confortavelmente dentro do alcance de seus dedos ao se sentar na sua posição normal de pilotagem e que seu acelerador está ajustado com uma folga mínima no cabo. A manete do freio dianteiro deve ser colocada bastante pra baixo para ser alcançada facilmente pela sua mão com o acelerador completamente fechado. Com o motor funcionado e em ponto morto, tente cutucar o rapidamente o acelerador ao mesmo tempo que puxar firmemente a manete de freio – note que não há a necessidade de um movimento longo do acelerador para elevar a rotação do motor. Então pratique simultaneamente puxar e liberar a embreagem rapidamente enquanto você cutuca o acelerador (relembrando para continuar a puxar a manete de freio como se você estivesse freando para uma curva).


 3. A etapa seguinte é praticar esta técnica andando em uma área segura e com nenhum tráfego.Assim que você freia e começa a baixar a marcha, simplesmente execute a mesma seqüência praticada anteriormente, mas adicione o ato de baixar a marcha. As ações de cutucar o acelerador e baixar uma marcha devem ser simultâneas e rápidas, e não levante muito a rotação do motor para igualar à velocidade do asfalto; a menos que você esteja pilotando em níveis agressivos em um autódromo, é necessário apenas uma ligeira cutucada no acelerador. Com prática, você saberá o quanto será necessário para cada velocidade. Note que a maior parte da palma de sua mão é responsável pelo ato de girar o acelerador e além disso o peso da parte superior do seu corpo está concentrado nas palmas durante uma frenagem. Os seus dedos estão ocupados em controlar o freio e o guidão. Com tudo isso o que se deve fazer é um pequeno giro do seu punho para elevar a rotação do motor. Você verá que a influência do aperto da manete de freio pelos seus dedos não exercerão tanta influência no ato de frear a moto.

4. Se você ainda achar que tem problemas com esta técnica, tente ajustar a manete de freio de modo que seja mais fácil alcançá-la (sem atrapalhar sua capacidade de puxar a manete para frear ao máximo). Se você ainda tiver problemas, terá que empregar o método “sem cutucar” que muitos pilotos (tal como o piloto sazonal de AMA Eric Bostrom) ainda fazem. Isso significa que a embreagem será liberada gradualmente após baixar uma marcha de modo que o giro do motor possa progressivamente combinar com a velocidade do asfalto sem derrapar a roda traseira. O ponto negativo é que o piloto usa o freio motor enquanto a embreagem é solta. A roda fica desacoplada do motor e deve compensar com o uso adicional dos freios durante este período. Também, requer ainda mais habilidade para controlar a moto e em paralelo soltar a manete da embreagem e gradualmente.